O nome do livro é uma alusão tanto à inspiração criativa, que surge como um lampejo, quanto à vida, que é um brilho de inspiração. Assim é dito na introdução: “Assim como a vida, a inspiração é um lampejo, um Brilho Súbito de chama sempre inflame. Este livro é um reflexo”.
O texto começa com uma citação de Nietzsche sobre a inspiração, dando ao leitor o sabor do que vem a seguir. Frases e poemas marcantes, fortes, que parecem falar diretamente para cada um que as lê. Como o poema que segue: “Lágrimas são a condensação necessária de uma tristeza ou de uma alegria que os olhos fazem escorrer para lembrar que carrega o mar no peito e o céu no olhar”.
O livro em si é um súbito brilho de palavras, com temas e motivos diversos que buscam levar o leitor à reflexão. Do nascimento à morte, o sentido da vida é apresentado como a descoberta do amor.
A obra revela tanto a história do autor, pois as palavras têm vida, quanto as suas influências, das filosofias orientais à Nietzsche. É um livro profundo, porém simples e direto. As palavras foram poupadas para não sobrarem, são cuidadosamente colocadas página à página. O efeito é a surpresa e o encantamento ao longo de toda a leitura.
Não é apenas um livro para se ler, mas para se ter como companhia.
________________________________

brilho-subito